Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rua Onze . Blog

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...

Rua Onze . Blog

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...

Cérabelga

blogdaruanove, 24.08.09

 

Surgindo com esta designação em 1926, na localidade de Haren, nos arredores de Bruxelas, esta fábrica produziu peças Art Déco cuja decorações rivalizaram com as da fábrica Boch Frères / Keramis, de La Louvière.

 

A exuberância das cores e o inusitado de muitas das formas utilizadas na Cérabelga, se eram suficientes para manter acesa essa competição, não deixavam de traduzir algumas inferioridades técnicas desta fábrica, nomeadamente a ausência de esmaltes em relevo e do craquelé, características que projectavam a Boch Frères / Keramis para um outro patamar de execução.

 

Apesar destas limitações, a empresa revelou-se bastante competitiva relativamente a outras fábricas belgas, como Bergen (que copiava a decoração Gouda originária da Holanda), Mons e mesmo a prestigiada Manufacture Imperiale et Royale de Nimy, tendo mantido lojas em Bruxelas e Paris durante vários anos.

 

Não se conhece a data exacta do seu encerramento, mas crê-se que terá ocorrido no final da década de 1930, com o advento da II Grande Guerra.

 

© Rua Onze . Blog

Boch Frères Keramis (IV)

blogdaruanove, 03.08.09

 

Em simultâneo com as decorações mate em pasta de grés e com as célebres decorações Art Déco em faiança, onde era aplicada a técnica de esmaltagem cloisonné sobreposta a um craquelé artificial, a fábrica Boch Frères / Keramis produziu ainda decorações menos onerosas e mais conservadoras.

 

Foi o caso das decorações em esmalte escorrido, continuadoras das técnicas e do gosto do final do século XIX, que em parte replicavam de forma mais refinada uma certa tradição da olaria popular vidrada.

 

A tradição cromática oitocentista dos escorridos em verde de ferro ou vermelho de hematite, também praticada em Portugal pela Fábrica Bordalo Pinheiro e pela generalidade das fábricas das Caldas da Rainha, cedeu, contudo, à explosão de tons amarelos e verdes bem característicos da Art Déco, como os que se reproduzem.

 

 

© Rua Onze . Blog