Rua Onze . Blog

Maio 06 2009

 

Antunes da Silva (1921-1997), Canções do Vento (1957).

 

 

Essencialmente consagrado como prosador, Antunes da Silva (cf. http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/15899.html) desenvolveu também uma obra lírica no contexto do movimento neo-realista. Publicou em 1952 Esta Terra que é Nossa: Poemas e quarenta anos depois Breve Antologia Poética. De permeio, saíu esta separata do Cancioneiro Geral, intitulada Canções do Vento.

 

Deste volume transcreve-se um breve poema sem qualquer conotação neo-realista, Primavera, e um outro, Terceira Cantiga, claramente ligado à contestação social e política característica desse movimento literário:

 

PRIMAVERA

 

A Primavera nasceu

Enfeitada pelo sono das plantas

E o sussurro das fontes,

Onde as abelhas foram flores

A poisarem nas estrelas dos horizontes.

 

Oiço a Primavera no vento,

Entre azinhagas e montes.

 

 

TERCEIRA CANTIGA

 

Ao Alves Redol

 

Passei no Tejo à noitinha

E vi o Tejo calado.

Trago um barco de papel

Para o deitar no mar salgado.

Quando o barco se romper,

Deito no Tejo uma estrela.

E a estrela branca lá fica

E nunca mais torno a vê-la...

Que nas águas deste rio

Parte gente pró degredo...

O povo vive e não morre,

Mesmo cercado de medo!

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 14:46

Março 11 2009

 

Antunes da Silva (1921-1997), Sam Jacinto (1950).

Capa de Manuel Ribeiro de Pavia (1907-1957).

 

 

Escritor cuja obra se insere no movimento neo-realista, Antunes da Silva abordou muitas das temáticas recorrentes nessa literatura – a luta de classes, a solidão, a desolação e o desamparo, a miséria e o sofrimento dos trabalhadores.

 

De entre as suas inúmeras obras, as mais conhecidas serão as primeiras colectâneas de contos, Gaimirra (1946), Vila Adormecida (1947; cf. a belíssima capa em http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/166278.html), e esta Sam Jacinto, bem como a novela Suão (1960).

 

Para além de prosador, Antunes da Silva foi também poeta e em breve será aqui referido um dos seus primeiros livros de poesia, Canções do Vento (1957).

 

Do conto A Fuga, incluído em Sam Jacinto, transcrevem-se dois parágrafos:

 

"É doloroso dizê-lo, mas é assim. A vila, por muito que se tente, por muito que certos homens se esforcem por erguê-la à sua antiga condição – nem reage. Existe, entre os seus habitantes, um medo da vida, aquilo que o sr. Florentino disse, e muito bem, "ser a tragédia de um povo que perdeu o espírito de iniciativa e a voluntária vontade de lutar..." Almas fracas, influídas pela crise, deram em beber e faltar ao respeito às pessoas de vergonha. As raparigas, nos bailes, aceitam namoro a dois e três rapazes ao mesmo tempo. Os arrendatários de terras, esmorecidos nos seus cometimentos, ficam horas e horas cismando, à espera de milagres que nunca mais vêm...

A vila mudou. Tem outros vícios e menos virtudes... Afaga-se ao passado, ao prestígio de meia dúzia de cidadãos que mantêm intactos os corações puros e virgens da passada mocidade. Os homens que nascem e crescem têm medo da vida. E com esse medo da vida, os homens que nascem e crescem nas planícies tornam-se agora menos solidários e mais hostis. Qualquer menina namora até altas horas e já nem os pais se conseguem fazer obedecer... Ou os pais deixam passar o tempo, ansiosos, à espera que as filhas tenham um lugar de futuro ao sol do mundo, casando com qualquer estanislau..."

 

© Rua Onze . Blog


Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


blogs SAPO