Rua Onze . Blog

Agosto 11 2009

 

Esboço a grafite sobre papel, assinado Alberto B. Sousa (Alberto de Sousa ?, 1880 - 1961), da década de 1930 ou 1940.

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 14:36

Julho 02 2009

 

"Certa vez, uma empresa em aflições, tentou repor a Severa, peça de agrado certo e de receitas garantidas.

Tudo se ensaiou à matroca, para salvar o empresario de apuros. E a peça foi. Todos titubeantes, atentos ao ponto e procurando não fazer má figura. No último acto, quando o Prata [actor Joaquim Prata, 1882-?] visitava a Severa, já prestes a morrer, perguntou-lhe como na peça:

– Então Severa, como vais tu?

E a Severa, dentro do papel dizia-lhe com voz cavernosa:

– Muito mal. Sinto que estou muito mal.

E o Joaquim Prata chocarreiro, disse para a actriz: "Tens razão. Tu vais mal, eu também vou mal, vamos todos muito mal!".

A pobre Severa, nos espasmos da agonia teatral, estoirou a rir..."

 

in Lourenço Rodrigues (1898-1975), Cantinho da Saudade (1962).

 

Sobre a data de estreia da peça, e sua adaptação cinematográfica, conferir ainda: http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/151026.html.

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 18:26

Junho 10 2009

 

Capa de Alberto de Sousa (1880-1961) para a edição do texto dramático A Severa (1901; presente edição, 4.ª, 1921) de Júlio Dantas (1876-1962).

 

A peça foi representada pela primeira vez no Teatro D. Amélia, em 25 de Janeiro de 1901, tendo Leitão de Barros (1896-1967) realizado o filme homónimo, com guião baseado neste texto, em 1931.

 

© Rua Onze . Blog


Fevereiro 25 2009

 

Capa de Alberto de Sousa (1880-1961) para a colectânea de poemas O Sinal da Sombra (1923), de Alberto Osório de Castro (1868-1946).

 

Note-se a influência das artes decorativas egípcias no design da capa, facto a que não será alheia a temática de muitos dos poemas de Osório de Castro (alguns escritos na década anterior) nem a descoberta do túmulo de Tuthankamon, em 1922.

 

O livro abre com a seguinte citação de Pierre Loti (pseudónimo de Louis Marie-Julien Viaud, 1850-1923):

 

"Demain je ne percevrai plus ni les couleurs ni le soleil, et dejà sans doute je commence par m'en désintéresser."

 

© Rua Onze . Blog


Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28


blogs SAPO