Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rua Onze . Blog

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...

Rua Onze . Blog

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...

Autógrafos - José Marmelo e Silva

blogdaruanove, 15.07.09

 

 

José Marmelo e Silva (1911-1991; sobre a data de nascimento, ver: http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/16821.html), Adolescente (1948; nas edições posteriores, Adolescente Agrilhoado).

 

 

Autor periodicamente recuperado por alguns críticos e alvo do interesse pontual de alguns escritores (recordo ter encontrado Maria Alberta Menéres [n. 1930] há alguns anos atrás, num alfarrabista, procurando as suas esgotadíssimas edições, e esta em particular), Marmelo e Silva produziu textos que ora se aproximam do movimento presencista, com o qual colaborou, ora do movimento neorealista.

 

Tendo iniciado o seu esparso mas coerente, e sólido, percurso editorial com a obra Sedução (1938; cf. http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/16821.html), Marmelo e Silva veio a publicar em seguida Depoimento (1939, na revista Presença; 1945, em colectânea; 2000 em edição singular), O Sonho e a Aventura (1943), a presente novela,  Conversa Entre Plátanos (1960), O Ser e o Ter (1968),  Anquilose (1971) e Desnudez Uivante (1983).

 

Desenvolvendo uma literatura marcada pelas problemáticas da adolescência – as inquietações, as inseguranças da sexualidade, o confronto entre o eu e a sociedade, o autor marcou desde logo o seu estilo com a novela Sedução.

 

Nesta obra, evocando o que de melhor se encontra na análise psicofisiológica desenvolvida em algumas personagens de Abel Botelho (1854-1917), Marmelo e Silva evita a maçada dos parágrafos pseudocientíficos da obra deste, oferecendo-nos um relato indirecto mas desassombrado da homossexualidade feminina entrevista pelo olhar confuso de um adolescente enamorado.

 

Já em Adolescente, o autor acrescenta às perplexidades da adolescência o conflito interior causado pelos condicionalismos da educação religiosa e o sofrimento provocado pelo sentimento de culpa, antecipando uma temática que Vergílio Ferreira (1916-1996) abordaria posteriormente em Manhã Submersa (1954).

 

© Rua Onze . Blog