Rua Onze . Blog

Agosto 10 2009

 

© Rua Onze . Blog


Agosto 10 2009

 

Será que o blog 31 da Armada pretende passar a ser conhecido por blague 31 da Armada?...

 

Confira aqui a blague: http://31daarmada.blogs.sapo.pt/2923148.html.

 

© Rua Onze . Blog


Agosto 10 2009

 

COJA – Rio Alva

Bilhete postal circulado de Coja para Almada, em Setembro de 1953.

Emissão de editor não identificado.

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 19:00

Agosto 10 2009

 

Contaram-me que Miguel Torga (pseudónimo de Adolfo Rocha, 1907-1995), já no hospital e no  período final da doença que o vitimaria, era frequentemente instado a receber a visita de uma senhora, familiar de um antigo estadista, que o viria cumprimentar em nome deste. Torga, que não simpatizava nada com esse estadista, recusava sistematicamente a visita, dizendo que não sabia quem ele era, e nem sequer o conhecia.

 

Prevenia as pessoas mais próximas, aliás, para que não permitissem nenhuma visita-surpresa que pudesse ter consequências mutuamente desagradáveis. E esse desejo foi respeitado até à sua morte.

 

Após a verificação do óbito, o corpo de Torga passou a noite na sala mortuária do hospital, que a determinada hora foi encerrada. Na manhã seguinte, quando se tinha de abrir a sala para realizar o funeral, verificou-se que a chave tinha desaparecido. Após inúmeras diligências, realizadas em vão, a porta teve que acabar por ser arrombada.

 

Comentário de quem me relatou o episódio – "O Torga era terrível! Até depois de morto arranjou maneira de se precaver contra visitas indesejadas..."

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 17:38

Agosto 10 2009

 

Entre as decorações de vidrado microcristalisno desenvolvidas pela fábrica Sarreguemines durante o final do século XIX, encontravam-se diversas variantes de azul e verde, duas das quais aqui ilustradas, que representavam um corte radical com os vidrados monocromáticos de tons conservadores, como o "Rose Pompadour" e o "Sang-deBoeuf".

 

Demonstrando um aperfeiçoamento do tratamento químico dos vidrados, este acabamento microcristalino e as miríades de tonalidades daí resultantes  traduzem-se numa iridisação das superfícies decorativas que também foi comum à vidraria artística da época, como se pode observar na famosa produção da fábrica europeia Loetz e nas peças Favrile desenvolvidas nos E.U.A. por Louis Comfort Tiffanny (1848-1933).

 

A iridisação verde de cobre patente na peça ilustrada revela-se ainda particularmente contemporânea, pois evoca o verde do absinto novo, bebida em voga entre intelectuais e artistas no final do século XIX, e posteriormente proibida em França, e as suas propriedades alucinogéneas.

 

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 16:14

Agosto 10 2009

 

Ilustração de autor não identificado para a primera edição (brasileira) do livro Eterno Feminino (1929), de Júlio Dantas (1876-1962).

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 09:35

Agosto 10 2009

 

   Em dias de deslumbrar

   O rouxinol emmudece,

   E de noite entra a cantar!...

   Bemdita a canção da prece

   Das mães, nas sombras do lar!

 

Raimundo António de Bulhão Pato (1829-1912), A Dança Judenga (1901).

 

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 01:00

Agosto 10 2009

 

Homenagem a Raul Solnado (1929-2009).

 

Bilhete postal, autografado, de propaganda à revista "Pois, Pois...", de 1967, onde Solnado desempenhou  mais um papel cómico de sucesso, o de Pinguinhas, um ébrio sóbrio...

 

 

© Rua Onze . Blog


Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





subscrever feeds
blogs SAPO