Rua Onze . Blog

Fevereiro 10 2009

© Fundação Eugénio Tavares 

 

Eugénio Tavares (1867-1930), o célebre poeta de Cabo Verde evocado por Manuel Ferreira em Hora di Bai (http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/16606.html), era já citado em 1928 por Julião Quintinha (1885-1968), na sua obra Africa Misteriosa (pp. 65-66):

 

"Eugenio Tavares, o poeta da saudade, que eu fui encontrar na sua casinha sossegada, rodeado de flores, é o apaixonado autor das mornas (*) melancólicas que o pôvo do Arquipélago canta, intérprete maravilhoso da alma dêsse pôvo ilhéu e sonhador.

 

Toda a melancolia e fatalidade marítima, a tristeza da emigração, o encanto aventureiro com desejos de correr mundo e alegrias no regresso ao lar, o lirismo dessa gente ingénua que acende fogueiras quando voltam os emigrantes e lhes vai enfeitar as velas dos navios com rosas - tudo isto palpita nas dolentes páginas literárias de Eugénio Tavares, nos seus versos crioulos que as tristes noivas cantam na hora da partida, e vao repetindo pela vida fóra."

 

© Fundação Eugénio Tavares

 

O asterisco remete para uma nota de rodapé na página 65, com o seguinte teor:

 

" (*) Para o leitor fazer uma ideia do que é uma morna aqui lhe transcrevo esta muito em voga, escrita em crioulo da Brava, pelo punho do seu proprio autor, o grande poeta caboverdeano Eugenio Tavares.

 

MORNA DA AGUADA

 

Se é pa 'n vivê na ês mal

De cá tem

Quem que q' rem,

Ma 'n q' rê morrê sem luz

Na nha cruz,

Na ês dôr

De dâ nha vida

Na martirio de amor.

 

Amá, sê pa 'n morrê

Pa 'n dixâ

Ai, quem que 'n q' rê,

Pa ôto gente, bem q' rê

Ma 'n q' rê vivê na ês martirio.

 

Se é pa ês tristeza de q' rê

Sem esperança,

Ai, sem fé,

Ma 'n q' rê ês destino de bai,

 

De morrê,

De squicê,

Num momento de amor,

Um vida intero de dôr.

 

EUGENIO TAVARES"

 

© Fundação Eugénio Tavares

 

Para mais informações sobre Eugénio Tavares, consultar: http://www.eugeniotavares.org/.

 

© Rua Onze . Blog


Fevereiro 10 2009

 

25 – Portugal – Chaves – Trecho da Rua Direita

Bilhete postal da década de 1920.

Edição da "Sociedade de Defeza e Propaganda de Chaves". Cliché da Fotografia Alves – Chaves (cujas instalações se podem ver em primeiro plano, à direita).

 

"Tem um aspecto muito original a vila de Chaves, com as suas casas de balcões avançados, as suas varandas de madeira, que nas casas isoladas, ou de esquina, as cingem por completo."

 

in Brito Camacho (1862-1934), Jornadas (1927).

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 13:00

Fevereiro 10 2009

 

Anverso e verso de uma nota de cinco libras esterlinas emitida pela Companhia de Moçambique na cidade da Beira, em 15 de Janeiro de 1934.

A legenda perfurada, em duplicado, tem a seguinte inscrição: "PAGO / 5.11.1942". 

 

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 10:28

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9




subscrever feeds
blogs SAPO