Rua Onze . Blog

Agosto 10 2009

 

Contaram-me que Miguel Torga (pseudónimo de Adolfo Rocha, 1907-1995), já no hospital e no  período final da doença que o vitimaria, era frequentemente instado a receber a visita de uma senhora, familiar de um antigo estadista, que o viria cumprimentar em nome deste. Torga, que não simpatizava nada com esse estadista, recusava sistematicamente a visita, dizendo que não sabia quem ele era, e nem sequer o conhecia.

 

Prevenia as pessoas mais próximas, aliás, para que não permitissem nenhuma visita-surpresa que pudesse ter consequências mutuamente desagradáveis. E esse desejo foi respeitado até à sua morte.

 

Após a verificação do óbito, o corpo de Torga passou a noite na sala mortuária do hospital, que a determinada hora foi encerrada. Na manhã seguinte, quando se tinha de abrir a sala para realizar o funeral, verificou-se que a chave tinha desaparecido. Após inúmeras diligências, realizadas em vão, a porta teve que acabar por ser arrombada.

 

Comentário de quem me relatou o episódio – "O Torga era terrível! Até depois de morto arranjou maneira de se precaver contra visitas indesejadas..."

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 17:38

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Visitas
blogs SAPO