Rua Onze . Blog

Agosto 12 2009

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 21:21

Agosto 12 2009

 

Ana Luísa Amaral (n. 1956), Entre Dois Rios e Outras Noites (2007).

 

 

Professora universitária, Ana Luísa Amaral deixa transparecer a actividade intelectual ligada a essa profissão em muita da sua poesia, onde surgem diversas alusões a outras literaturas, a outros autores e a um universo que sincreticamente conjuga alusões mitológicas e alusões bíblicas.

 

Referiu o notável ensaísta e crítico literário canadiano Northrop Frye (1912-1991) que a Bíblia era um substrato fundamental para autores e leitores da literatura ocidental. A obra de Ana Luísa Amaral não se torna criptográfica se não conhecermos a Bíblia, mas em muitas das suas passagens o leitor beneficiará de uma leitura mais rica se estiver familiarizado com a mesma.

 

Aliás, a directa alusão na capa do presente volume ao poeta e ilustrador William Blake (1757-1827), cuja obra Frye usou para ilustrar a sua teoria, mostra que a autora está perfeitamente consciente disso.

 

Apesar de toda a contextualização intelectual da sua poesia, Ana Luísa Amaral consegue transmitir-nos a singularidade da sua mensagem poética como se estivesse a tratar da "simplicidade das coisas simples" do quotidiano. E a leveza que consegue transmitir aos seus textos, contrastando com a profundidade das suas emoções e das suas mensagens, mostra-nos que estamos perante uma das mais notáveis poetisas portuguesas contemporâneas.

 

Antes deste livro, a autora publicara já Minha Senhora de Quê (1990), Coisas de Partir (1993), Epopeias (1994), E Muitos os Caminhos (1995), Às Vezes o Paraíso (1998), Imagens (2000), Imagias (2002), A Arte de Ser Tigre (2003), A Génese do Amor (2005) e Poesia Reunida: 1990-2005 (2005), todos volumes de poesia, e as obras de literatura para a infância Gaspar, o Dedo Diferente e Outras Histórias (1999) e A História da Aranha Leopoldina (2000).

 

Ainda em 2007 recebeu o prémio literário Correntes d'Escritas, em Portugal, e o prémio de poesia Giuseppe Acerbi, em Itália.

 

De Apontamentos Desiguais, uma das secções deste volume, transcreve-se  o Apontamento VII:

 

   A esta hora

   há poucos dias era um outro lado,

   outra voz a meu lado

 

   Quantas arestas temos,

   quantos cantos,

   quantas formas de amar?

 

   Reversíveis numa geometria

   que amedronta,

   a base do avesso quantas vezes

 

   Exaltava, se quisesse:

   esta montanha de contos de fadas

   e bocados de neve

 

   Exaltava se quisesse

   e o coração assim

   mo permitisse

 

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 17:14

Agosto 12 2009

 

Fotografia produzida em casa (portuguesa?) não identificada. São Tomé e Príncipe (?).

Dimensões: 16,2 x 11 cm.

Início do século XX.

 

Comparar com: http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/200375.html.

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 12:03

Agosto 12 2009

 

Ilustração de Stuart Carvalhais (1887-1961) para a capa da sétima edição (1925) de Os Pobres (1906), de Raul Brandão (1867-1930).

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 08:41

Agosto 12 2009

 

   Se não, na rampa da vida,

   Mais rude de passo a passo,

   Não vendo fim á subida,

   E caindo de cansaço,

   Quem não fôra um suicida!...

 

Raimundo António de Bulhão Pato (1829-1912), A Dança Judenga (1901).

 

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 01:00

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





subscrever feeds
Visitas
blogs SAPO