Rua Onze . Blog

Junho 17 2009

 

Fotografia produzida por Armando Silva, Caldas da Rainha.

Dimensões do cartão: 24,8 x 19,8 cm.

Década de 1920 ou 1930.

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 18:34

Junho 17 2009

 

César Pratas (n. 1936), Post Scriptum (1963).

Capa de João da Câmara Leme (1930-1983).

 

 

Habitualmente, os prémios de poesia revelam autores ignorados que, a seguir à distinção, regressam na sua maioria ao anonimato ou se remetem ao silêncio literário.

 

O mesmo sucedeu no caso de César Pratas. Com Post Scriptum recebeu o Prémio Revelação da Sociedade Portuguesa de Escritores para 1962. Antes, havia apenas publicado a colectânea Antemanhã (1962), a qual foi novamente republicada e aumentada no presente volume. Posteriormente, veio a publicar unicamente o volume Sismógrafo (1969).

 

Transcrevem-se três poemas, respectivamente de Post Scriptum, os dois primeiros, e de Antemanhã:

 

Poema I

 

1

se 2 + 2

fossem apenas 2 + 2

e não 4

se cada coisa

valesse apenas

como coisa em si

sem outro significado

que o seu próprio significado

 

(...)

 

6

mas cada coisa

tem um significado

presente e ausente

 

para lá das mãos

há sempre um gesto

que não é o nosso

 

há sempre

um horizonte visual

uma continuação do fim

para que nascemos

 

Poemas de Amor

 

Poema IV

 

corro a mão pelo vértice dos dias

nesta reza vertical de imaginar-te

 

defino-te palavra mais recente

sem sílabas

vogais ou consoantes

 

uma lágrima de lodo

um pássaro à deriva

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 16:57

Junho 17 2009

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 09:58
Tags:

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





subscrever feeds
Visitas
blogs SAPO