Rua Onze . Blog

Maio 29 2009

Capa de Cipriano Dourado (1921-1981).

 

Manuel Lopes (1907-2005), O Galo [Que] Cantou na Baía... (1959).

 

Do conto As Férias do Eduardinho transcrevem-se dois parágrafos:

 

"Em frente do muro, num pequeno rectângulo de terreno com escassa dúzia de regos de pouca largura, pés de mandioca entrecruzam os longos pecíolos tesos em cujas extremidades os limbos parecem mãos espalmadas. Para lá do último rego, o mandiocal transborda e desce rúpidamente [sic] pela ladeira íngreme, de socalco em socalco, até um pequeno bosque de cafeeiros. Sobre as copas dos cafeeiros a vista ganha distância. As árvores, as casas, os polígonos verdes dos regadios formam quadros em miniatura espalhados ao acaso. As "chãs" de plantio, os "tapumes" de pastagem rala, sucedem-se, como gigantescos tombadilhos de navios dispostos lado a lado e irrompendo das montanhas com as proas dirigidas para  saída do vale, a leste da ilha.

Corgos profundos cortados a pique, com rebanhos de figueiras bravas ao longo do leito, separam as chãs, como vagas revoltas dum verde esbranquiçado. Dum lado e do outro, nos terrenos ladeirentos, socalcos de cana sacarina, bananeiras e feijoeiros congo. Aqui e ali, a esmo, tufos de verdura viva, manchas brancas de lapili pomítico, oásis de árvores frondosas, laranjeiras e manqueiras [sic] espalhadas como marcos; colinas contorcionadas e estéreis de arestas ásperas e nuas, grandes manchas de terra queimada, esquadrões de monólitos graníticos irrompendo do solo em posturas de monstros pensativos, surpreendidos pela erosão. A servir de pano de fundo, ora por cima das linhas das colinas, ora caindo a prumo sobre os últimos tapumes, a cordilheira circular, à direita e à esquerda, com os altos cumes rendilhados, a perder de vista."

 

© Rua Onze . Blog


Maio 29 2009

 

Horta – Fayal – Açôres.   Obras da Docca e Porto.

Bilhete postal circulado da Horta para Lisboa, em Junho de 1906.

Emissão de editor não identificado.

 

© Rua Onze . Blog 

publicado por blogdaruanove às 19:00

Maio 29 2009

 

E ainda hoje, entre cada poderoso toque, se ouve um gemido longo e baixo, que termina sempre no soluçado som de um lamento, como se uma mulher, chorando, murmurasse - "Hiai!" E ainda hoje as pessoas, quando ouvem aquele grande gemido dourado, mantêm o silêncio. Mas quando o claro e doce estremecer vem pelo ar, soluçando aquele "Hiai!", então, sem dúvida alguma, todas as mães Chinesas, em todos os coloridos caminhos de Pequim, murmuram aos seus pequeninos: "Oiçam! É Ko-Ngai gritando pelo seu sapato! É Ko-Ngai chamando pelo seu sapato!"

 

© Rua Onze . Blog


Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9






subscrever feeds
Visitas
blogs SAPO