Rua Onze . Blog

Agosto 05 2009

 

Ribeiro Couto (Rui Esteves Ribeiro de Almeida Couto, 1898-1963), Présence de la Petite Thérèse (1937; tradução do ensaio Presença de Santa Teresinha, 1934)

 

 

Ribeiro Couto notabilizou-se enquanto jornalista, ensaísta, contista e poeta, tendo contado com Manuel Bandeira (1886-1968) como um dos seus grandes amigos e companheiros literários.

 

Exercendo actividade diplomática em França a partir de 1928, data em que o presente ensaio começou a ser escrito (uma nota biográfica da Fundação Casa de Rui Barbosa [http://www.casaruibarbosa.gov.br/dados/DOC/literatura/ribeiro_couto/biografia.htm] refere que Ribeiro Couto foi nomeado para o Consulado de Marselha em Julho de 1929, mas o próprio autor, nesta obra, regista a sua estadia em França a partir de 1928), veio para Portugal entre 1944 e 1946, como encarregado de negócios do Brasil.

 

Esta estadia permitiu-lhe desenvolver estreitos laços com inúmeros escritores e intelectuais portugueses, entre os quais Miguel Torga, bem como aprofundar a ligação ao país, de onde sua mãe era originária.

 

As suas obras mais consagradas serão, provavelmente, o romance Cabocla (1931), que deu origem às telenovelas homónimas de 1979 e 2004, e o livro de poesia, escrito em francês, Le Jour est Long (1958), pelo qual recebeu em França o prémio internacional de poesia para estrangeiros.

 

Neste opúsculo, Ribeiro Couto, para além de construir uma narrativa e uma visão biográfica de Santa Teresinha do Menino Jesus (Thérèse de Lisieux, 1873-1897), apresenta-nos ainda pequenas notas sobre o itinerário por si percorrido em França – Le Havre, Harfleur, Lillebonne, Villequier, Caudebec, Saint-Nicolas de Bliquetuit, Forêt de Brotonne, Pont-Audemer, Pont-l'Évêque – até chegar a Lisieux.

 

 

Destas notas, trancrevem-se os cinco parágrafos dedicados a Le Havre:

 

"Ciel gris, calfeutré d'étoupes. Dans la rue de Bordeaux, les bruits de la cité qui s'éveille paraissant amortis par l'air humide. La fleuriste de la place Gambetta est blonde et forte: son geste, haussant devant moi un chysanthème rouge, est celui d'une combattante de barricade présentant avec énergie l'étendard révolutionnaire. Je lui tends un billet de cinq francs, et je m'en vais, le chrysanthème au poing, souriant avec sympathie pour justifier cette largesse.

 

Je me proméne au long des quais. dans le bassin du Commerce il y a des yatchs blancs, des canots automobiles et des voiliers d'agrément. C'est le quartier de luxe des eaux du port.

 

Quai Lamblardie, quai Southampton... Senteur complexe des villes maritimes de trafic intense: parfum d'oranges, souffle de goudron, relents de moisi mêlés à la puanteur des fermentations inconnues, camaraderie aérienne de bonnes et de mauvaises odeurs.

 

Aux grandes darses et aux long des môles, des navires dévorent des fardeaux, dans le fracas des grues mobiles. Tous les océans ont arrosé ces tillacs de leurs vagues; ces proues ont fendu la bourrasque sos toutes les latitudes.

 

Des murailles de pierre, dans les eaux troubles, envahissent l'estuaire et se perdent, fines et longues, sous la brume de l'océan, avec des phares à chaque pointe. Elles reçoivent les premières confidences des vents du large."

 

Uma Noite de Chuva e Outros Contos (1944), com capa de Paulo Ferreira (Paolo, 1911-1999) e ilustrações de António Dacosta (1914-1990). Este volume recolhe contos anteriormente publicados em A Casa do Gato Cinzento (1921), Baïaninha e Outras Mulheres (1927) e Largo da Matriz (1940), apresentando pela primeira vez em livro o conto Milagre de Natal, que em 1941 havia sido publicado na revista mensal Ilustração Brasileira.

 

No seu Diário III (1946), Miguel Torga (pseudónimo de Adolfo Rocha, 1907-1995) regista a seguinte anotação sobre Ribeiro Couto:

 

" Conimbriga, 13 de Junho [de 1944] – Outra visita a estas pedras queimadas pelos Suevos. Desta vez, porque estava na companhia de um brasileiro ilustre, o Ribeiro Couto, dispus-me a ouvir o cicerone, e aprendi finalmente que foram os Suevos que estragaram o arranjinho aos  romanos que gozavam isto.

 

E já que falo em cicerones, quero confessar-me de um pecado grave: nunca até aqui os tinha amado. Odiava-os mesmo ferozmente. Pareciam-me fonógrafos sem coração, sem cérebro, incapazes de um sentimento qualquer por detrás das maravilhas que mostravam. Mas hoje mudei de ideias. Já aqui há uns tempos, em Mafra, diante de um homem destes, pudico, preciso e sensível, fiquei de nariz no ar. Esta tarde, porém, é que a nuvem se abriu. "

 

Para uma pequena referência bio-bibliográfica à professora Andrée Crabbé Rocha (1917-2003), ver http://blogdaruanove.blogs.sapo.pt/148104.html.

 

© Rua Onze . Blog


Obrigado por sua visita ao cavaleiro solitário
julio a 5 de Agosto de 2009 às 19:10

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Visitas
blogs SAPO