Rua Onze . Blog

Junho 19 2009

             

 

O opúsculo do poeta Bulhão Pato (Raimundo António de Bulhão Pato, 1829-1912) anteriormente referido (http://blogdaruaonze.blogs.sapo.pt/142617.html), A Dança Judenga (1901), apresenta um olhar irónico sobre a sociedade portuguesa da época, não deixando de suscitar curiosas leituras paralelas com a sociedade actual.

 

O espírito crítico e mordaz desenvolvido pelo autor nesta obra remete inevitavelmente para as características dos textos dos seus contemporâneos Eça de Queirós (1845-1900) e Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905), pese embora o irónico facto de o próprio Eça ter transmutado Bulhão Pato no demodé poeta Alencar do seu romance Os Maias (1888).

 

Assim, porque as "coisas muitas não vistas" da obra continuam, efectivamente, a ser muitas e actuais e nós continuamos a ser um país de "finos artistas", transcrever-se-ão ao longo das próximas semanas as oitenta estrofes que constituem A Dança Judenga, começando hoje pelo seu epigrama:

 

   São coisas muitas não vistas,

   E mui desvairadas gentes,

   Como dizem os chronistas,

   Fazendo as mais excelentes

   Obras de finos artistas!...

 

© Rua Onze . Blog

publicado por blogdaruanove às 14:47

Aki ó-matsu Hito ó-mayowasu Momiji-kana!...
mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Visitas
blogs SAPO